Mato Grosso, Segunda-Feira, 23 de Setembro de 2019
Logo NoticiaNET
Informe Publicitário
INVESTIGAÇÃO

Acusada de participar da morte do marido, mulher é solta após delegado ver inocência

A vítima foi morta no dia 22 de março, no bairro Jardim América, em Sorriso.

Da Redação

22/08/2019 às 19:19

Acusada de participar da morte do marido, mulher é solta após delegado ver inocência

Presa com o ex-marido, Sidnei Vicente Verginio, 26 anos, por suspeita da morte de Mário Felipe Gualberto Abreu, de 28 anos, a jovem Thaynara Carolyne Delneiro de Moraes, 21 anos, foi solta depois do pedido do delegado Nilson Farias, que afirmou ter percebido que ela foi coagida. A vítima foi morta no dia 22 de março, no bairro Jardim América, em Sorriso.  A operação foi denominada Fortis Est Veritas, em alusão a força da verdade. 

Segundo a Polícia Civil, o delegado Nilson Farias, da Delegacia de Sorriso, comunicou que a Justiça revogou a prisão de Thaynara Carolyne, pois durante o interrogatório a autoridade policial percebeu que a mesma foi coagida e estava com medo. No decorrer, ela ainda teria passado informações importantes e necessárias dentro do inquérito policial, sendo assim a autoridade policial optou por sua liberdade.

O casal teve o mandado de prisão cumprido na terça-feira (20), pela Divisão de Homicídios da Delegacia de Sorriso. O suspeito Sidnei Vicente Verginio, 26 anos, é ex-companheiro de Thaynara, com quem conviveu por mais de cinco anos. Ambos possuem um filho de dois anos do relacionamento.

No curso da investigação, a Polícia apurou que o crime foi motivado por questões de ciúmes da jovem e também com o filho, pois a vítima (Mário) queria que a criança também morasse com eles, já que o menino vivia com o pai, que é suspeito de ter matado a vítima. 

Outro ponto, segundo a investigação, é o fato do suspeito também não aceitar o fim do relacionamento da moça com a vítima. A Polícia Civil apura a informação, que surgiu por meio de uma testemunha ouvida nos autos, que 24 horas antes do crime, a vítima tinha sido ameaçada pelo suspeito na presença da jovem, sua ex-mulher.

Alguns pontos ainda estão obscuros na investigação, como possível interesse patrimonial em relação a vítima, que era empregado de uma empresa cerealista e tinha seguro de vida.

O caso
 
No dia do crime, Mário havia acabado de chegar em sua residência em um veículo, Fiat Mobi, de uma empresa. Ele desceu no veículo e foi abrir o portão, mas ao retornar para o carro, foi abordado por um homem que efetuou alguns disparos e fugiu em uma motocicleta.

O Corpo de Bombeiros esteve no local e encontrou Mário inconsciente dentro do carro, porém, com sinais vitais. No trajeto para o hospital ele passou por procedimentos de reanimação, mas não resistiu aos ferimentos e foi a óbito logo que chegou à unidade.